Terapia Ocupacional e a Abordagem de Integração Sensorial

A Terapia Ocupacional infantil tem como objetivo principal promover o desenvolvimento de habilidades motoras, cognitivas e do comportamento para tornar a criança apta a realizar com autonomia as atividades comuns da infância e adaptar-se socialmente. Dentre essas atividades se destacam o brincar, as atividades diárias de autocuidado e tarefas escolares como o desenho e a escrita.

Na base da formação dessas habilidades encontra-se o processamento das informações sensoriais vindas principalmente dos sistemas vestibular (movimento), proprioceptivo (posição) e tátil. Esses três sistemas começam a funcionar bem cedo na vida intrauterina e estão bem conectados entre si. Eles vão formando interconexões com outros sistemas como o visual e auditivo à medida que o desenvolvimento prossegue. A conexão entre os sentidos é complexa e é necessária para que uma pessoa interprete uma situação de maneira apropriada e dê uma resposta motora ou comportamental adequada. Para denominar esta organização dos sentidos para o uso utilizamos o termo Integração Sensorial.

A teoria de Integração Sensorial desenvolvida pela Terapeuta Ocupacional Dra. Jean Ayres, entende que essa organização não só nos permite responder apropriadamente às sensações que nos chegam como também nos orienta sobre como agir no ambiente. O planejamento motor ou práxis (envolve idealizar uma ação e executá-la seguindo uma sequência de etapas adequada) é uma habilidade importante que depende de uma integração sensorial eficiente.

Com a maioria das crianças a integração sensorial se desenvolve no curso das atividades comuns da infância. A habilidade de planejamento motor é um resultado normal desse processo. Entretanto, para algumas crianças, a integração sensorial não se desenvolve da maneira eficiente como deveria.

Quando o processo de Integração Sensorial é ineficiente uma série de problemas de comportamento e de aprendizagem se tornam evidentes, como: Hipersensibilidade ao toque, movimento, visão ou sons; Pouca reação à estimulação sensorial; Níveis de atividade acima ou abaixo do normal; Problemas de coordenação; Atraso na linguagem, na fala, na habilidade motora ou na aquisição acadêmica e Pobre organização de comportamento.

 

Como a terapia funciona

Na terapia, sua criança será guiada através de atividades que desafiem gradualmente sua habilidade de responder apropriadamente aos estímulos sensoriais, a fim de alcançar respostas ou comportamentos mais organizados e bem-sucedidos. Você será auxiliado a compreender a reação de seu filho a determinados estímulos sensoriais e também sobre como orienta-lo para atividades mais benéficas ao seu desenvolvimento.

 

top