A invisibilidade da maternidade – Por Lara Mascarenhas

IMG-20220527-WA0075

Ana Paula, 39, mãe de uma criança atípica de 6 anos, juntos e sozinhos viviam exclusivamente um ao cuidado do outro. Sem descanso, sem folga, férias ou finais de semana, um livro, um programa na tv ou um café tomado tranquilamente.
O arrombar de uma porta nos escancarou essa solidão e exaustão, mãe e filho somaram aos tantos anos de exílio mais doze longos dias sozinhos, um pelo outro, se velando, se enxergando, os dois apenas.

A sociedade, as políticas públicas, eu, você, vizinhos, profissionais da saúde, amigos, a escola, o comércio, não demos falta dos dois por quase duas semanas…
As mães como ficam ao se deparar com seu maior medo servido assim em uma notícia fria? Com o abismo gigante das nossas faltas expondo em carne viva as dores da maternidade de ter um coração batendo fora de seu peito?
Como criam seus filhos as mães, que nem em sua morte tem o seu descanso permitido?

As mães não descansam, apenas repousam seus corpos exaustos,
Suas almas permanecem despertas acompanhado seus filhos no sono, nos sonhos, na rua,Sua mente trabalha buscando resolver tudo que possa melhorar a vida de seus filhos,
Se peito batuca todas as angústias e preocupações da maternidade,
Suas pernas treinam as corridas atrás de seus pequenos,
Seus braços anseiam os abraços do próximo dia,
Seus corações produzem rios e rios de amor e carinho,
A maternidade é exercício eterno, imparável, forte em seu amor e dedicação,
A mãe não é eterna, é humana, vulnerável, ela cansa, adoece, se irrita, enfraquece, morre
Mãe precisa de cuidado, apoio, suporte, ajuda, respeito, carinho, precisa de descanso
Repousar o corpo exausto, adormecer a alma, dar folga a mente, embalar o peito em canções de ninar, Relaxar suas pernas e braços, Deixar fluir calmante os rios de seus corações.
Para isso as mães precisam que seus filhos estejam cuidados, nutridos, aquecidos, saúdaveis, seguros, amados, felizes…

As mães precisam de nós para cuidarmos de seus filhos e assim possam descansar merecidamente ainda em vida.

Tags

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

top